SOBRA ESPAÇO

Escrito originalmente para E aí, guria?

OUÇA ENQUANTO LÊ
Já são onze e tanto da noite, meus olhos, ainda arregalados, fitam a luz amarela do abajur. Abri outro maço de cigarro. Já tinha tempo que isso não acontecia. Lembro-me de, pela manhã certo dia, me deparar com um jardim florido. Cheio de amor. Foi quando me despedi do uísque e do tabaco. 

Após afastar-me de ambos, me senti em paz comigo. Morando em mim, sabe? Logo eu que adoro uma rotina. De entender tudo, detalhe por detalhe. Tenho sido pega pelas inconstâncias da solidão. Tudo o que entra por aqui, vem em grandes proporções. E, desse tanto, parece que sua falta ainda é o que pesa mais. 

Você disse adeus. Eu, disse também. Contudo… Que despedida foi essa que não para de me apetecer? Nessa insistência tanta de bater à porta. De querer entrar pela janela. Essa ânsia por domar-me o coração. Para quê?

Sentada aqui nesta poltrona, com um livro debruçado no colo, finjo enganar a dor e visto um sorriso de canto. 

Te aquieta, solidão. Tem espaço demais neste lugar. Não precisa de tanto barulho. Prometo receber-te, se me prometeres não se alongar neste doce lar. 

Está tudo bem, em ir e voltar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: